Siga-nos por e-mail

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Alice Moderno e a educação


Alice Moderno, o ensino e a Revista Pedagógica

“85% de analfabetos numa região europeia! Chega a causar vertigens e calafrios, e nada mais seria preciso para que o regímen monárquico que mantinha no trono os Braganças fosse condenado à pena última por queles que, por acaso, sabem ler”
(Alice Moderno, Revista Pedagógica, nº 199, 14 de dezembro de 1911)
De 1909 a 1915, publicou-se, em Ponta Delgada, a “Revista Pedagógica que teve como proprietária e diretora a professora primária Maria Evelina de Sousa. Como redatores principais, entre outros, destacaram-se Alice Moderno, Aires Jácome Correia (Marquês de Jácome Correia), Luís Leitão, Fontana da Silveira e Ulisses Machado.
Alice Moderno, para além de ser a colaboradora mais assídua, também dirigiu a revista na ausência de Maria Evelina de Sousa, o que terá acontecido entre os números 108 e 112, publicados em 1909.
De entre a colaboração que Alice Moderno prestou à Revista Pedagógica, destacamos, pela duração no tempo, a tradução livre da rubrica “Usos Sociais” que era da autoria da Baronesa de Savernon.
A Revista Pedagógica manteve ao longo dos anos em que foi editada um espaço dedicado à poesia, intitulado “Guarda-joias”, onde foram publicados poemas de vários autores, como Antero de Quental, Maria Veleda, Mário Pacheco e Alice Moderno.
Na rubrica referida, Alice Moderno publicou, entre outros, os seguintes poemas: “Amor Supremo”, escrito para uma récita de uma grande gala realizada no Teatro Micaelense, “A Itália Vitaliani”, “Jogos Florais”, soneto dedicado ao Marquês de Jácome Correia, e “A João Melo Abreu”, poesia que foi impressa na fita de uma coroa deposta sobre o seu ataúde.
Sobre a temática do ensino propriamente dito, Alice Moderno escreveu vários textos onde teve a oportunidade de expor o seu pensamento.
De entre eles, destacamos “Palavras de um “toast”, escrito em Angra do Heroísmo, a 22 de outubro de 1911, dedicado aos professores primários (hoje designados de professores do 1º ciclo do ensino básico).
No seu texto, Alice Moderno saúda os professores primários, dizendo que eles são “os funcionários mártires da instrução” e acrescenta, citando Renan “que o futuro intelectual do indivíduo depende principalmente de quem lhe ensina a ler” e termina afirmando que “a leitura, inteligentemente assimilada em tenros anos, pode fazer sábios, como a rotina sabe fabricar cretinos”. Alice Moderno conclui o seu curto texto, saudando “entusiasticamente os membros conscientes, independentes e dignos da classe à qual o estado menos paga e da qual mais exige…”
Outro texto que merece referência foi o publicado a 9 de dezembro de 1909, intitulado “Médicos Escolares”, onde Alice Moderno solidariza-se com a opinião de Maria Evelina de Sousa que numa reunião realizada em Ponta Delgada defendeu a necessidade de médicos escolares que deveriam visitar as escolas quinzenalmente a fim de verificar se aquelas se encontravam em boas condições de higiene “e se as crianças que as frequentavam estão em boas condições que lhes permitam matricular-se num estabelecimento de instrução, a que concorrem muitas outras que têm direito a não serem contaminadas pela doença alheia”.
Alice Moderno, para além de professora particular, foi nomeada regente da Escola Móvel de Ponta Delgada, tendo, no dia 15 de outubro de 1913, proferido a alocução inaugural.
No seu discurso Alice Moderno elogiou o regime republicano por “procurar extinguir, no feracíssimo solo lusitano, as flores nefastas da ignorância e da superstição” que infelizmente continuam a proliferar nos nossos dias.
Pelo interesse que tem para melhor conhcermos o pensamento de Alice Moderno, para terminar esta minha colaboração de hoje, abaixo apresenta-se um extrato do discurso mencionado:
“ A verdade é que somos todos iguais.
Iguais no nascimento, pelo sofrimento, e perante a morte. O que desnivela os homens é unicamente, mas cumpre dizê-lo inexoravelmente, a diferença de educações.
Instruí-vos, educai-vos, e colocar-vos-eis a par dos primeiros entre os vossos semelhantes.”
Teófilo Braga

(Correio dos Açores, nº 30495, 26 de novembro de 2014, p.15)

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Aprendendo

Aprendendo com Alice Moderno


Muitos cidadãos, a título individual, e as associações animalistas desempenham um papel fundamental, sobretudo na recolha de animais domésticos abandonados e na procura de adotantes, na denúncia de maus tratos, na educação dos cidadãos e no salvamento de animais que são vítimas da política de abate que é prática na maioria dos canis.
Durante muitos anos, a proteção aos animais domésticos esteve, em São Miguel, a cargo da SMPA-Sociedade Micaelense Protetora dos Animais que sob a direção de Alice Moderno e a colaboração de vários zoófilos micaelenses, de que destacamos a professora Maria Evelina de Sousa, o braço direito de Alice Moderno, Alfredo da Câmara, que sempre disponibilizou o salão dos Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada para a realização de diversas reuniões e Aires Jácome Correia (marquês de Jácome Correia) que foi presidente da Assembleia Geral, durante vários anos, e o mais generoso dos sócios contribuintes.
Apesar de grande parte da atividade da SMPA, sob a presidência de Alice Moderno, ter decorrido durante um regime não democrático, o Estado Novo, os dirigentes daquela associação tinham o cuidado de dar a conhecer publicamente as suas atividades, apelar à participação e divulgar as contas da mesma, através dos jornais.
Hoje, em regime democrático, pelo menos formalmente, com mais e melhores meios de comunicação, as associações parecem ignorar que a participação dos cidadãos seria maior se sentissem que os seus donativos estão a ser bem usados, se conhecessem melhor o que fazem as associações e que dificuldades enfrentam.
Para além do referido, parece que as associações (algumas ou a maioria?) vivem na semiclandestinidade, de tal modo que raramente ou nunca, nem mesmo a solicitação dos órgãos de soberania, emitem um parecer sobre assuntos que à defesa dos animais dizem respeito, raras vezes tomam a iniciativa de fazer denúncias publicamente, nunca (ou quase nunca) promoveram uma petição, não divulgam a composição dos seus órgãos sociais, não divulgam a realização das assembleias gerais ou não apresentam contas tal como está previsto nos estatutos de todas elas.
Outra batalha ganha pela SMPA foi a criação de um posto veterinário em Ponta Delgada que embora público funcionava com a colaboração da Sociedade Micaelense Protetora dos Animais. Hoje, apesar de uma recomendação da Assembleia Legislativa Regional e das declarações favoráveis por parte do secretário da tutela, parece que alguns interesses mais alto se levantam e nada se faz para que se concretize o sonho de Alice Moderno, isto é, que a ilha de São Miguel tenha um hospital veterinário público ou gerido em parceria ou totalmente por uma ou mais associações de proteção dos animais.
Não querendo intervir na vida interna das associações, esta devia ser uma luta contínua que devia figurar na agenda de todas elas. A concretização deste sonho, para além ser a verdadeira homenagem a Alice Moderno, poderia abrir o caminho a uma correta forma de tratar os animais, não como coisas mas como seres que sentem.
Pensamos que, muitas vezes, as pessoas que são passivas por natureza ou por deseducação, ainda se retraem mais quando se trata de defender os animais. Com efeito, para além de poderem ser alvo de chacota, muitas vezes são acusadas de darem mais valor aos animais ditos irracionais do que aos seus semelhantes.
A propósito do que está escrito no parágrafo anterior, Alice Moderno num texto publicado em 1935 cita o escritor Francis de Miomandre que escreveu: “Não há graduação na bondade. A pessoa que ama os animais não é cruel para com o seu semelhante. E, muito ao contrário, aquele que defende a sua sensibilidade contra as tentações da zoofilia, não passa de um ser egoísta e explorador da espécie humana”.
Estamos a ficar cansados de ouvir alguns (ir) responsáveis que, face às reaiis ou virtuais dificuldades por que estão a passar as instituições que gerem, lamentarem-se de não fazer nada pelos animais pois, dizem eles, primeiro estão as pessoas. Esquecem-se eles de dizer que há sempre dinheiro para aquilo que querem: para festas e roqueiras, para touradas e música pimba, para contratação de amigos ou correligionários, etc..
Por último, também fingem ignorar que, se há pessoas que estão a passar mal, tal é devido às políticas ruinosas que foram governando este país, a todos os níveis, e que eles também contribuíram para tal. Em suma eles criaram a pobreza e os pobres para agora poderem dar-lhes uma esmola, chame-se a esta rendimento social de inserção ou outra coisa qualquer.
Teófilo Braga
(Correio dos Açores nº 30484 de 12 de Novembro de 2014)

A toutinegra


(Correio dos Açores, 4 de Agosto de 1935)