Siga-nos por e-mail

domingo, 30 de dezembro de 2012

Proteção aos Animais




Para a morigeração dos nossos costumes, uma grande medida é preciso tomar desde já.
Coibir os maus tratos aos animais, que a cada passo se presenceiam pelas ruas desta cidade.
Praticam-se verdadeiros abusos.
Carregam-se demasiadamente os veículos; espancam-se brutalmente os animais; presenciam-se toda as casta de barbaridades e não se levanta um braço que obste tudo isso.
Animais mortos de fome, tirando carros com pesos superiores às suas forças, outros trazendo sobre dolorosas chagas, grossas e ásperas correias!
Depois, agrava-se este abuso com o emprego de carneiros e cães tirando pequenas carroças de mão!
Não se pode nem se deve consentir isto.
Não se pode: porque aos nossos sentimentos humanitários e de educação repugna assistir a estes espetáculos; não se deve porque estamos prejudicando a instrução das crianças, ensinando-lhes atos de malvadez.
E como se acaba isto?
Reprimindo estes abusos à força do emprego de todos os meios.
Se o primeiro carroceiro que espancasse o animal; o que fosse encontrado conduzindo no veículo peso superior ao que devia, e o que empregasse no serviço de tiro animais cujas aptidões não servem para tal, e só perturbam o trânsito dando uma triste ideia do que somos:-havia haver respeito pela lei.
Porque na lei nós temos elementos para acabar com isto.
Em tempos pensou-se em fundar aqui uma “Sociedade Protetora dos Animais” delegada da de Lisboa, mas os mais entusiásticos esmoreceram e não chegou a realizar-se, uma das causas que motivou também isto, foi não se ver aqui um corpo de polícia que coadjuvasse os esforços dos membros da sociedade.
Mas a imprensa micaelense, honra lhe seja, tem sempre advogado a necessidade de proteger os animais.
É tempo, pois, dela ser ouvida.
Não se pode calcular o mal que faz à educação da mocidade, estas brutais cenas que aí vemos a cada passo.
Esperamos que os nossos colegas nos acompanharão nesta cruzada.
Havemos pedir, pedir muito, até que alguém nos ouça e dê deferimento às nossas reclamações a favor da civilização.
Noutro lugar desta folha publicamos uma nota de lei para a qual chamamos a atenção da autoridade administrativa.

(Diário de Anúncios, nº 2226, 16 de Julho de 1892)

Nota- Embora não assinado supomos que o texto é de Alice Moderno que esteve ligada ao referido jornal naquela data.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Envenenamento de um cão



O distinto poeta Bulhão Pato visitou frequentemente os Açores, demorando-se às vezes meses em São Miguel e na Terceira. Foi muitas vezes, em Vila Franca hóspede do seu grande amigo Sebastião do Canto.

Dedicado à espécie canina, causa emoção uma poesia elegíaca inspirada pela morte de uma linda perdigueira, sua fiel companheira das caçadas.

Dotado, como quase todos os poetas, de rara sensibilidade, Bulhão Pato sentiria certamente desgosto se soubesse que a Vila Franca das Flores se notabilizava pela guerra feita ao mais fiel amigo do homem, o pobre cão.

Mais de uma vez, naturais da Vila, e citarei como exemplo o ilustre vila-franquense sr. Dr. Urbano Mendonça Dias, têm chamado a minha comovida atenção para o lamentável espetáculo que oferecem, expostos nas ruas, cadáveres de cães a que foi propinada estricnina por mão incógnita e impiedosa.

Ultimamente deu-se mais um destes casos: um continental saiu da vila abandonando o um pobre cão que possuía.

Uma gentil criança, filha do sr. Manuel Cabral de Melo, residente na rua da Vitória, tomou o desamparado quadrúpede sob a sua proteção, e todos os dias lhe fornecia um repasto que lhe garantia a existência.

Pessoa de mau coração - parece que moradora na mesma rua e muito embora o infeliz animal fosse absolutamente inofensivo, entendeu eliminá-lo da circulação envenenando-o cruelmente com grande mágoa do seu jovem protetor, cujo excelente coração é digno de maiores elogios.

Felizmente, parece que semelhantes casos não se repetirão por muito tempo visto que no continente da República há quem esteja eficazmente ocupando dos direitos dos irracionais e do dever que assiste ao Estado de os proteger.

Em breve tratarei deste momentoso assunto e para o ilustre zoófilo que no mesmo se empenha vão desde já os meus mais sinceros e comovidos aplausos.
Alice Moderno

(Diário dos Açores, nº 20026, 26 de Julho de 1945)

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

PELOS ANIMAIS


A imprensa local mercê de alguns espíritos generosos, recomeça a sua campanha a favor dos pobres animais, que nenhuma lei protege, e se encontram à mercê de todas as brutalidades, vitimas imbeles de um destino atroz.

Não há muito tempo noticiava o Diário dos Açores que ao animal encarregado do tiro de uma carroça de beterraba sacarina para a fábrica de Santa Clara esvaziara o condutor um olho, e, todavia, ninguém tratou de apurar o número da carroça, a fim de que o bárbaro carroceiro recebesse a recompensa do seu humanitário feito.

A brandura dos nossos costumes reverte nisto: a mais completa crueldade para com aqueles que na frase de um escritor francês nenhuma lei protege…

Para a humanidade desamparada criaram-se os asilos de infância desvalida e mendicidade, há as creches, os albergues noturnos, as cozinhas económicas, os subsídios concelhios e distritais, muitas vezes concedidos sem discernimento e por favoritismo, a esmola, aos sábados, a assistência nacional, etc. etc.

Para os animais, tão bons amigos e tão úteis auxiliares do homem, nada existe, além de umas posturas camarárias que não se cumprem, genericamente falando, além da Sociedade Protetora dos Animais, criada pela imprensa, e que, por falta de um zelador a quem se pague, e de um posto veterinário, pouco pode conseguir além da propaganda, que não tem descurado e constantemente apregoa.

Em São Miguel, terra onde abençoadamente floresce a Caridade, não pode nem podia deixar de existir a Sociedade Protetora dos Animais, que conta bastantes sócios, e à qual o benemérito titular, sr. Marquez de Jácome Correiam, concedeu o subsídio de 100 escudos anuais.

Mas esses recursos materiais não têm sido suficientes para que se pudesse estabelecer um posto veterinário com médico e servente, e menos ainda um hangar, onde os animais doentes recebessem socorros médicos, enfermagem e alimentação.

Daí a crónica trágica do Caldeirão, para onde são atirados os animais considerados inúteis, e ainda o bárbaro e indecoroso espetáculo que dia a dia presenciamos, de animais abandonados na via pública pelos seus descaroáveis donos!

Ora este estado de coisas não pode continuar assim, sob pena de perdermos foros de civilizados. É necessário que de entre tantos que podem dispor do seu tempo não totalmente absorvido pela luta pela vida, alguém que tome a peito a generosíssima cruzada e desça a defender aqueles que nenhuma lei protege contra as brutalidades da ignorância e as alucinações do álcool.

Estabeleça-se um pequeno ordenado a um indivíduo dedicado à causa dos animais e cujo mister consistirá em receber queixas, fornecer esclarecimentos, e zelar o cumprimento das posturas municipais, devendo permanecer na sede em determinadas horas do dia, e tomar nota dos donativos, e da fiscalização a exercer sobre os agentes da autoridade que, segundo se vê, não estão para se ralar, tal é a abundância de animais de tiro chagados, ou zarolhos, e ainda de aves suspensas pelas pernas, que se encontram diariamente nas primeiras horas do dia, nos sítios mais frequentados de Ponta Delgada.

Pela nossa parte não temos descurado o assunto, tendo mesmo frequentemente ligado a prática à teoria nesta cruzada em prol dos nossos irmãos inferiores.
Como, porém, uma boa vontade isolada nada pode fazer, apelamos para o auxílio de todas as pessoas de coração, a quem certamente terá muitas vezes pungido o lamentável espetáculo exibido nas tuas de Ponta Delgada pelos infelizes seres que vimos defendendo, pessoas estas que convidamos a alistar-se nesta cruzada que, sendo de todas a mais desinteressada, é por isso mesmo a mais generosa.

A.M.

(A Folha, nº 668, 5 de Dezembro de 1916)

domingo, 16 de dezembro de 2012

Uma barbárie sem justificação


Referimo-nos não há muitas semanas ao triste espetáculo produzido frequentemente nesta cidade pela rusga aos cães, pobres animais, que nos servem com tanto zelo, quando convenientemente educados e nos amam com tanto carinho, quando tratados com bondade.

Que essas rusgas se realizem nos países em que a hidrofobia, causada muitas vezes pela privação do alimento, pode ser transmitida pelo cão aos outros animais, incluindo o homem, ainda se poderá admitir. Nos Açores, porém, onde a hidrofobia não existe, a guerra de extermínio feita aos cães – como se fossem animais daninhos – não tem nenhuma circunstância atenuante, e representa um ato de crueldade, como tantos outros que se praticam ingratamente em prejuízo do melhor amigo da espécie humana.
Nem só A Folha se insurgiu contra o desumano procedimento praticado para com os infelizes quadrúpedes, pois acaba de se nos deparar no Zoófilo o seguinte artigo, que gostosamente transcrevemos em reforço da nossa doutrina, para a qual chamamos a atenção de todas as almas compassivas e boas.

O artigo é original do sr. Castro Morais, de Caselas, e foi dado à estampa em 12 do p.p. mês de fevereiro:

“Na minha qualidade de sócio contribuinte da antiga Sociedade Protetora dos Animais, entendo que por todos os princípios justos, racionais e morais, devo tornar público que nos princípios do mês findo apareceu nesta povoação da Caselas, uma cadela abandonada, com tanta fome, que metia dó a quem a visse num tal estado de penúria e abandono!...

Era tanta a fome que as famílias deste povo – todo ele honesto, digno e trabalhador, - todas, com poucas exceções, lhe davam agasalho e as migalhas das suas parcas mesas, pelo que o pobre animal, como sinal de gratidão, a todos demonstrava o seu reconhecimento e afeição.

Vejamos agora qual foi o fim do pobre animal.

Dando eu por falta da cadela nesta povoação, e sentindo um triste pressentimento, procedi a várias investigações, que deram em resultado vir a saber da boca de um rapazinho dos seus 10 anos, de nome João, por alcunha “O ferro velho”, que passando pelo sítio da “Marinheiras”, pouco distante daqui, a “carroça dos cães”, guiada por “dois homens mal-encarados” esses sujeitos meteram o pobre animal dentro da … “inquisitorial carroça”, em companhia doutros mais que já tinham apanhado na sua passagem, indo logo para o “Instituto Bacteriológico” em busca da estricnina que lhes devia dar a morte!

Ao entrar para aquele “sinistro carro”, segundo me disseram algumas testemunhas que viram aquele triste espetáculo, a pobre e desventurada cadela olhando para os circunstantes, parecia querer significar-lhes, por gestos tristes e magoados, a sua despedida, bem lembrada e saudosa pelo belo acolhimento que aqui lhe havia dado o bondíssimo povo desta aldeia.

Em vista deste triste espetáculo, conservarei enquanto vivo for, na minha lembrança, as racionalíssimas palavras do imortal Genovense: “Quanto mais conheço os homens, mais amigo sou dos animais…”

O que se passou sugere-me estas considerações: A polícia enverga uma farda, a qual se acaso não laboro em equívoco, deve ser uma insígnia de honra e valor e, como tal, deve assentar no costado de homens dignos e ajuizados, porque a polícia deve ser um elemento de ordem e de ponderação, e assim, somente deve servir os cidadãos honestos e pacíficos; coibir desmandos e desordeiros, fazendo respeitar a Lei e o princípio da autoridade. A polícia, finalmente, deve ser uma coletividade cheia de cultura e aperfeiçoamento moral, a fim de saber e poder impor-se ao respeito dos elementos confusos e heterogéneos que de vez em quando possam surgir pela sua frente, como nota discordante entre a parte boa e sensata.

Em tais condições a polícia, a meu ver, não deve servir para condutora auxiliar das “carroças de cães”, nem tão pouco para quejandos serviços menos próprios da farda que veste.

Para tais serviços, as Câmaras que criem lugares de zeladores, nomeando para eles indivíduos da sua confiança, e nunca entregando tais serviços à polícia da cidade.
E, demais, as Câmaras Municipais que tenham dias próprios, durante o ano, para os seus varejos, em conformidade com o preceituado na lei geral.

E se o contrário do que eu aqui digo existir por acaso nos códigos de posturas municipais, nesse caso, é mister que tais códigos sejam remodelados quanto antes, por antiquados e vexatórios. Nós não estamos nos tempos das antigas Ordenações, que morreram há muito tempo sem nos terem deixado nenhumas saudades …Bem poucos têm sido os jornais desta capital, que se não referissem com amargura à caça e mortandade canina a que a polícia se tem dedicado com um zelo que melhor empregado seria em livrar a cidade da gatunagem que a infesta.

É necessário que a nossa Associação proteste contra estes escândalos, que estão clamando contra as suas origens, venham elas donde vierem, partam donde partirem…”

(A Folha, nº 629, 7 de Março de 1915)

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Entra em ação por uns Açores melhores











S'il vous plaît, défiler vers le bas pour le français

Por favor, desplácese hacia abajo para español

Please, scroll down for english





PORTUGUÊS

Caros/as amigos/as,
Pedimos a vossa ajuda no envio desta carta que pede a retirada de videos de touradas dos postos de turismo das ilhas dos Açores.


Agradecemos desde já!





Para: acoresturismo@mail.telepac.pt, info.turismo@azores.gov.pt



cc: presidencia@azores.gov.pt, srtt-Info@azores.gov.pt, pt.de.smg@azores.gov.pt, pt.f.smg@azores.gov.pt, pt.ae.smg@azores.gov.pt, pt.de.ter@azores.gov.pt, pt.ae.ter@azores.gov.pt, pt.fai@azores.gov.pt, pt.pic@azores.gov.pt, pt.sjo@azores.gov.pt, pt.gra@azores.gov.pt, pt.sma@azores.gov.pt, pt.flo@azores.gov.pt, dt.lis@azores.gov.pt, pt.por@azores.gov.pt, associacaoportasdomar@gmail.com, turismoacores@visitazores.com, info@artazores.com



Bcc: mcatacores@gmail.com





Exmo Senhor Diretor Regional do Turismo

c/c Secretário Regional do Turismo e Transportes, ao Presidente do Governo

Regional dos Açores e aos responsáveis pelas Delegações e Postos de  Turismo dos Açores



Temos conhecimento de que em vários estabelecimentos comerciais, sobretudo os especializados em produtos para turistas, são emitidos regularmente vídeos sobre touradas à corda.



Destes estabelecimentos é bom exemplo a Loja Açores situada nas Portas do Mar, em Ponta Delgada, onde é possível encontrar três grandes ecrãs a passar, simultaneamente, vídeos de “Marradas”, que conhecemos bem através da publicidade aos mesmos que é feita no Youtube (http://youtu.be/2h-WhhqFjv4).



Os mencionados vídeos, para além de transmitem imagens de violência contra os animais, mostram a brutalidade duma tradição que provoca sofrimento às pessoas que, participando são voluntariamente ou não, alvo de ferimentos, nalguns casos de elevada gravidade, ou que acabam por morrer, como já aconteceu este ano na Terceira e no Pico.





Como pessoa consciente e compassiva, venho manifestar a minha preocupação pelo facto da transmissão das referidas imagens constituírem um poderoso instrumento de deseducação para insensibilizar, habituar e até viciar crianças e adultos no abuso sobre animais, o que poderá induzir mais violência sobre animais e sobre pessoas.



Para além do referido, as imagens transmitidas constituem uma enorme vergonha para os Açores e poderão dissuadir o turismo de muitas pessoas provenientes de países onde este tipo de eventos é fortemente repudiado e até perseguido criminalmente



Temos conhecimento que a transmissão de marradas nos aeroportos, para além de já terem deixado horrorizados alguns turistas, tem causado perplexidade a algumas pessoas que têm visitado a Região, a convite de empresas ou do próprio governo regional, e embaraço aos seus acompanhantes.



Face ao exposto, venho solicitar a tomada de medidas no sentido de por fim à transmissão de vídeos de marradas e touradas em todos os locais onde os mesmos possam contribuir para a banalização do sofrimento de animais e pessoas e para manchar a imagem dos Açores junto de potenciais visitantes.





Atentamente,

(Nome)





----



ESPAÑOL

Compañeros e Compañeras, les pedimos su ayuda en el envío de esta carta solicitando la eliminación de los vídeos de las corridas de toros en las oficinas de turismo de las islas Azores. 

Muchas gracias!







Para: acoresturismo@mail.telepac.pt, info.turismo@azores.gov.pt



cc: presidencia@azores.gov.pt, srtt-Info@azores.gov.pt, pt.de.smg@azores.gov.pt, pt.f.smg@azores.gov.pt, pt.ae.smg@azores.gov.pt, pt.de.ter@azores.gov.pt, pt.ae.ter@azores.gov.pt, pt.fai@azores.gov.pt, pt.pic@azores.gov.pt, pt.sjo@azores.gov.pt, pt.gra@azores.gov.pt, pt.sma@azores.gov.pt, pt.flo@azores.gov.pt, dt.lis@azores.gov.pt, pt.por@azores.gov.pt, associacaoportasdomar@gmail.com, turismoacores@visitazores.com, info@artazores.com



Bcc: mcatacores@gmail.com







Exmo. Sr. Director Regional de Turismo

c/c Secretario Regional de los Transportes e Turismo , Presidente del Gobierno Regional de

Azores, responsables por las Delegaciones y Puestos de Turismo de Azores







Tenemos conocimiento de que en varios establecimientos comerciales, concretamente los especializados en productos regionales para turistas, son emitidos regularmente videos de eventos tauromáquicos con toros ensogados.





De este tipo de establecimientos constituye un buen ejemplo la “Loja Açores” situada en las Puertas del Mar, en Ponta Delgada, donde se encuentran tres grandes pantallas que pasan simultáneamente videos de “embestidas y cornadas” que son bien conocidos por la publicidad existente de ellos en Youtube (http://youtu.be/2h-WhhqFjv4).



Los videos mencionados, además de trasmitir imágenes de violencia contra los animales, muestran la brutalidad de una tradición que provoca sufrimiento a las personas que, participando o no de forma voluntaria, son objeto de daños corporales, en algunos casos de elevada gravedad, y que en ocasiones acaban incluso por fallecer, como ya sucedió este año en las islas de Terceira y Pico.



Como persona consciente y compasiva, quiero manifestar mi preocupación por el hecho de que la trasmisión de estas imágenes constituye sin duda un poderoso instrumento de deseducación que lleva a insensibilizar, habituar y hasta viciar a niños y adultos en el abuso contra animales, lo que podrá inducir en el futuro más violencia sobre animales y sobre personas.





Además, las imágenes trasmitidas constituyen una enorme vergüenza para las Azores y podrán disuadir para el turismo a muchas personas provenientes de países donde este tipo de eventos es fuertemente repudiado y hasta perseguido criminalmente.



Tenemos constancia de que la transmisión de estas “embestidas y cornadas” en los aeropuertos, además de dejar horrorizados a algunos turistas, ha causado una gran perplejidad a algunas personas que visitan la región, invitadas por empresas o por el propio gobierno, y un gran embarazo a sus acompañantes.



Considerando todo lo expuesto, solicito que se tomen medidas para poner fin a la trasmisión de estos videos en todos los lugares donde puedan contribuir para la banalización del sufrimiento de animales y de personas y donde puedan contribuir para manchar la imagen de las Azores frente a potenciales visitantes.





Atentamente

(Nombre)





---



FRANÇAIS

Chers camarades
Nous demandons votre aide en envoyant cette lettre demandant le retrait des vidéos de corridas de bureaux de tourisme des îles Açores.
Je vous remercie à l'avance!








Envoyer à: acoresturismo@mail.telepac.pt, info.turismo@azores.gov.pt



cc: presidencia@azores.gov.pt, srtt-Info@azores.gov.pt, pt.de.smg@azores.gov.pt, pt.f.smg@azores.gov.pt, pt.ae.smg@azores.gov.pt, pt.de.ter@azores.gov.pt, pt.ae.ter@azores.gov.pt, pt.fai@azores.gov.pt, pt.pic@azores.gov.pt, pt.sjo@azores.gov.pt, pt.gra@azores.gov.pt, pt.sma@azores.gov.pt, pt.flo@azores.gov.pt, dt.lis@azores.gov.pt, pt.por@azores.gov.pt, associacaoportasdomar@gmail.com, turismoacores@visitazores.com, info@artazores.com



Bcc: mcatacores@gmail.com





Monsieur le Directeur Régional au Tourisme

c/c au Secrétaire Régional de Transport e Tourisme, au Président de la Région des Açores et aux responsables des Délégations et Offices de Tourisme des Açores





Nous avons appris que dans plusieurs établissements commerciaux, spécialement dans ceux spécialisés en produits destinés aux touristes, des vidéos de corridas à la corde sont exhibés régulièrement au public.



Le magasin Açores, situé à Portas do Mar, à Ponta Delgada en est un exemple, où trois grands écrans donnent à voir simultanément des vidéos de marradas , bien connues par la publicité diffusée sur Youtube (http://youtu.be/2h-WhhqFjv4).



Les vidéos mentionnées, en plus de projeter des images de violence contre des animaux, montrent la brutalité d'une « tradition » qui provoque même de la souffrance aux personnes, participantes, volontaires ou non, puisqu'elles sont souvent blessées grièvement ou même tuées, comme cela a été le cas cette année à Terceira et à Pico.



En tant que citoyen doué de conscience et de compassion, je tiens à manifester mon indignation vis à vis la diffusion de ces images, lesquelles constituent un puissant outil anti-pédagogique, ayant pour effet la désensibilisation et la banalisation de la cruauté envers les animaux, tout en incitant à la violence non seulement contre les animaux mais aussi contre les personnes.



Par ailleurs, ces images sont honteuses pour les Açores, pouvant dissuader plutôt qu'attirer les touristes, lesquels dans leur grande majorité, sont originaires de pays où ces pratiques barbares sont condamnées par la population et interdites par la Loi.



C'est un fait avéré que la diffusion de marradas dans les aéroports, en plus d'étonner les touristes, choquent ceux qui visitent la région invités par les entreprises ou par le gouvernement régional lui-même.



Cela étant dit, je sollicite que des mesures soient prises pour qu'on mette fin à cet étalage de violence gratuite dans tous ces lieux où il contribue à la banalisation de la souffrance animale et des personnes et où il porte préjudice à l'image même des Açores.



Cordialement,

(nome)





---



ENGLISH

Dear Friends,
We ask your help in sending this letter requesting the removal of videos of bullfights of tourism offices of the Azores islands.
Thank you in advance! 






To: acoresturismo@mail.telepac.pt, info.turismo@azores.gov.pt



cc: presidencia@azores.gov.pt, srtt-Info@azores.gov.pt, pt.de.smg@azores.gov.pt, pt.f.smg@azores.gov.pt, pt.ae.smg@azores.gov.pt, pt.de.ter@azores.gov.pt, pt.ae.ter@azores.gov.pt, pt.fai@azores.gov.pt, pt.pic@azores.gov.pt, pt.sjo@azores.gov.pt, pt.gra@azores.gov.pt, pt.sma@azores.gov.pt, pt.flo@azores.gov.pt, dt.lis@azores.gov.pt, pt.por@azores.gov.pt, associacaoportasdomar@gmail.com, turismoacores@visitazores.com, info@artazores.com



Bcc: mcatacores@gmail.com









Mr. Regional Director for Tourism

c/c Regional Secretary of the Transportation and Tourism, the President of the Region of the Azores and leaders of delegations and the Azores Tourist



I have learned that in many commercial establishments, especially those specializing in products for tourists, videos of bullfighting are regularly exhibited to the public.



For example, the store Azores, located at Portas do Mar, Ponta Delgada contains three large screens that are used to show videos of marradas, which can be found on Youtube (http://youtu.be/2h-WhhqFjv4 )



The videos mentioned, in addition to projecting images of violence against animals, show the brutality of a "tradition" that causes suffering to both participants and observers who are often seriously injured or even killed, as was the case this year in Terceira and Pico.



As a citizen endowed with conscience and compassion, I wish to express my opposition towards the dissemination of these images, which have the effect of desensitizing and normalizing cruelty to animals, while inciting violence against both animals and people.



Moreover, these images are shameful for the Azores and deter tourists, the vast majority of whom are from countries where these barbaric practices are condemned by the public and prohibited by law.



In addition, the showing of marradas in airports shocks tourists who visit the region at the invitation of companies or by the regional government itself.



That being said, I ask that measures be taken to end this display of gratuitous violence in all those places where it contributes to the trivialization of the suffering of animals and people, and where it is detrimental to the image of Azores.



Sincerely,

(Name)